APLICAÇÕES FINANCEIRAS - Você é quem deve escolher e não o gerente do banco! HILTON FLÁVIO NASCIMENTO


LCI com SWAP – Opção rentável com muita segurança

 

Opção ao CDB (Certificado de Depósito Bancário), as LCI - Letras de Crédito Imobiliário estão de volta! Depois de um tempo sem aceitar novas aplicações em LCI, a Caixa Econômica Federal voltou a captar novos recursos em LCI.

 

Trata-se de um papel seguro, que conta com a garantia do FGC (Fundo Garantidor de Crédito), da Instituição (CAIXA) e, ainda, dos contratos de crédito imobiliário que lastreiam a emissão do papel. Há alguns anos, eram oferecidas as LH – Letras Hipotecárias. Trata-se basicamente do mesmo papel. No entanto, as LHs só admitem contratos com garantia de hipoteca e as LCIs aceitam como lastro tanto os contratos com garantia hipotecária, quanto os com garantia de alienação fiduciária (garantia mais forte) – atualmente exigidos na maioria dos financiamentos imobiliários.

 

A LCI é um papel isento de imposto de renda, sendo contratada com cupom de TR + juros. A LCI com SWAP faz uma troca de TR + juros por um percentual do CDI (certificado de depósito interbancário) – taxa que indexa a maioria dos CDBs do mercado. A operação de SWAP é tributada. Entretanto, a taxa TR + juros é calculada tomando por base uma equivalência ESTIMADA com projeções do CDI e da TR, com o objetivo de fazer com que a LCI seja praticamente isenta de IR.

 

Tudo isto é possível porque só é tributada a diferença positiva do SWAP. Por exemplo, se a taxa TR + JUROS render 14,25% ao ano e o percentual contratado do CDI (por exemplo 83% do CDI) render no mesmo período 14,55%, apenas a diferença 0,30% será tributada pelo IR.

 

Esta é a grande vantagem da LCI em relação ao CDB. Um CDB com taxa de 100% do CDI, se estiver em uma alíquota de IR de 20%, renderá apenas 80% do CDI líquidos. Uma LCI com taxa de 84 % do CDI renderá praticamente a mesma coisa líquida: algo em torno de 82, 83 ou talvez os mesmos 84% do CDI, dependendo da diferença do SWAP.

 

RESUMINDO: A LCI COM SWAP É MAIS SEGURA E GERALMENTE MAIS RENTÁVEL QUE UM CDB DE MESMO VALOR, MESMO QUE O CDB APRESENTE UMA TAXA NOMINAL MAIOR, PELA VANTAGEM DA ISENÇÃO DE IR SOBRE A MAIOR PARTE DA RENTABILIDADE NA LCI!

 

MAS, ATENÇÃO: PARA CONSEGUIR AS MELHORES TAXAS NA LCI, VOCÊ TEM QUE FAZER PELO MAIOR PRAZO POSSÍVEL E SEM RESGATE!!! ASSIM VOCÊ MAXIMIZA O SEU GANHO!!! NO ENTANTO, LEMBRE-SE DE TER ALGUM RECURSO EM OUTRA APLICAÇÃO (OU NUMA LCI COM RESGATE) QUE TENHA LIQUIDEZ IMEDIATA PARA O CASO DE ALGUMA NECESSIDADE!

 

Bons negócios e boa semana!!

 

Hilton Nascimento.

Escrito por Hilton Nascimento às 21h36
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




COPOM REDUZ TAXA SELIC PELA 10ª VEZ CONSECUTIVA ( III )

 

IMPLICAÇÕES IMEDIATAS:

 

A queda da SELIC e a continuidade na tendência de queda se refletem nas taxas de juros cobradas pelos bancos e financeiras. Se você pretende tomar algum dinheiro emprestado, convém pesquisar quais bancos já reduziram suas taxas, em função dos novos patamares da SELIC.

 

Se você já possui um empréstimo ou dívida com o cartão de crédito ou cheque especial, é hora de tentar renegociar a sua dívida. Se a própria instituição onde você pegou dinheiro emprestado não aceitar revê-la, procure outra que está trabalhando com juros menores que os anteriormente assumidos e verifique a possibilidade desta instituição “comprar” a sua dívida. Assim você reduz o valor do seu comprometimento mensal, mantendo  o mesmo número de prestações!

 

Se você possui alguma aplicação financeira já teve ter notado que o rendimento dos tradicionais Fundos DI vem caindo mês-a-mês. Pois bem, com a nova redução da taxa de juros, vão render menos ainda! A explicação é simples: esses fundos aplicam em papéis que tem seu rendimento atrelado à variação SELIC/CDI.

 

Para novas aplicações, é mais vantajoso entrar num Fundo de Renda Fixa (que aplica também em papéis pré-fixados) ou buscar – apesar de possuírem maior risco – um fundo MULTIMERCADO. Assim, você provavelmente conseguirá amenizar a perda de rentabilidade gerada pela baixa nas taxas de juros.

 

Para novas aplicações de curto prazo – se o dinheiro for ficar apenas 3 ou 4 meses aplicado – é mais vantajoso colocar o dinheiro na POUPANÇA! Isso mesmo, a isenção de CPMF e de IR faz com que nos atuais patamares a poupança seja mais lucrativa em períodos curtos como o citado!

 

Para trocar de fundo de investimento você deve avaliar bem a questão do Imposto de Renda. Pode ser melhor permanecer onde está! Em caso de dúvidas, envie-nos os dados que tentaremos ajudar!

 

BOA SEMANA!!

 

Hilton Nascimento.

 

 



Escrito por Hilton Nascimento às 13h32
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




 

COPOM REDUZ TAXA SELIC PELA 10ª VEZ CONSECUTIVA ( II )

 

COMO ISSO AFETA A SUA VIDA?

 

A este momento, você pode estar pensando que isso nada tem a ver com a sua vida e que isso é assunto para economistas, etc. Mas, aí é que você se engana! A taxa SELIC afeta a sua vida, de várias maneiras. A SELIC tem vital importância na economia, como um todo. É em função dela, que é definido o custo do  dinheiro no mercado e, baseado nas variações da SELIC – mais ainda, na SUA TENDÊNCIA – que são definidas as taxas de juros cobradas pelos diversos agentes do mercado financeiro.

 

Mesmo que você não possua nenhum empréstimo bancário ou dívida com cheque especial ou cartão de crédito – e que não pretenda contrair nenhuma dívida – essa taxa afeta a sua vida, pois ao calibrar o custo do dinheiro, a taxa básica da economia influencia na concessão de crédito para as empresas e, conseqüentemente na economia de um país – promovendo ou facilitando o desenvolvimento ou causando estagnação.

 

Ou seja, a taxa de juros impacta diretamente na geração de empregos, na produção de bens e, desta forma, em tudo que está à sua volta! Se o nível de emprego cresce, se aumenta o nível de renda, diminui a ociosidade e a criminalidade! Se a taxa de juros baixa, maiores são as possibilidades das empresas investirem em seu crescimento e de nascerem novas empresas! Com juros mais baixos, aumenta a produção e o consumo internos e também aumentam as exportações (claro que esta também depende da taxa de câmbio).

 

Enfim, a queda da taxa SELIC e mais que isso a 10ª queda consecutiva são EXTREMAMENTE POSITIVAS para a economia brasileira, pois mostram uma TENDÊNCIA de continuar baixando os juros, o que alavanca a economia e reduz o gasto do Governo Federal com os juros da dívida, sobrando mais recursos para investir no social e em obras governamentais!

 

BOA SEMANA!!

 

Hilton Nascimento.

 

 

 

 



Escrito por Hilton Nascimento às 13h32
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]




COPOM REDUZ TAXA SELIC PELA 10ª VEZ CONSECUTIVA

 

Entenda o que isso significa!

 

O COPOM – Conselho de Política Monetária é formado pelos diretores da Banco Central do Brasil (BACEN) e presidido pelo Presidente do BACEN. Sua principal atribuição é a de definir as medidas para o atingimento da META DE INFLAÇÃO, definida anualmente pelo Conselho Monetário Nacional.

 

O Conselho Monetário Nacional – CMN – é o órgão deliberativo máximo do Sistema Financeiro Nacional, tem a função de estabelecer as diretrizes gerais das políticas monetária, cambial e creditícia, além de sua função de estabelecer a META DE INFLAÇÃO. A tal meta, na verdade é composta de um intervalo. Atualmente, o centro da meta é de 4,5% de inflação ao ano, com um intervalo de tolerância de 2,0 pontos percentuais para cima ou para baixo. Ou seja, a inflação deve ficar entre 2,5% e 6,5% ao ano. Ao definir a meta de inflação, o CMN deve zelar para que a economia alcance pleno desenvolvimento.

 

Dentre as políticas que o governo adota para manter um nível adequado de moeda em circulação e buscar o desenvolvimento econômico, o pleno emprego dos fatores de produção e baixa inflação, podemos destacar as políticas MONETÁRIA, CAMBIAL, FISCAL E CREDITÍCIA.  Neste momento, a que nos interessa é a política MONETÁRIA (feita pelo COPOM). Trataremos das demais em ocasiões futuras.

 

A POLÍTICA MONETÁRIA é o conjunto de medidas adotadas pela autoridade monetária para adequar a quantidade de moeda (meios de pagamento) disponível às necessidades da economia. Se tivermos muita moeda em circulação e não tivermos quantidade correspondente de bens, o excesso de PROCURA (demanda) fará com que os preços aumentem, gerando o que chamamos de inflação (aumento geral no nível dos preços).

 

Um dos INSTRUMENTOS de política monetária muito utilizado é o controle da TAXA DE JUROS. O COPOM periodicamente se reúne para definir a taxa de juros básica da economia, também chamada de TAXA SELIC. Se a inflação dá sinais de que vai cair ou ficar estável – enfim, de que vai ficar dentro da META, o COPOM tende a REDUZIR a TAXA SELIC e vice-versa. Assim, a SELIC segue como o principal instrumento na busca pelo atingimento da meta de inflação.

 

Mas, enfim, o que é então a SELIC? A taxa SELIC é taxa que corrige os Títulos Públicos Federais. É definida como sendo a taxa média ponderada pelo volume das operações de financiamento de um dia, lastreadas em títulos públicos federais e realizadas no sistema SELIC (Sistema Especial de LIquidação e Custódia), na forma de operações compromissadas. É a taxa básica utilizada como referência da política monetária. Em textos futuros, detalharemos os títulos públicos, suas características e forma de cálculo do seu valor.

 

Pois bem, a taxa SELIC que estava em 19,75% ao ano em agosto de 2005 (há 12 meses) veio sofrendo reduções progressivas, começou o ano de 2006 a 18% a.a. e, hoje, está em 14,25% ao ano. É a menor taxa desde que o COPOM parou de fixar a TBC, em 05/03/1999, e começou a fixar a META SELIC!



Escrito por Hilton Nascimento às 13h24
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 



Meu perfil
BRASIL, Sudeste, RIO DE JANEIRO, TIJUCA, Homem, de 36 a 45 anos, Portuguese, English, Viagens, Arte e cultura
Histórico
    Outros sites
      MERCADO CAPITAL
      BOVESPA - Bolsa SP
      BM&F - Bolsa Merc Futuros
      CJB - Canal Jovem da Bolsa
      MulherInvest
      Inst Nac Investidores
      Folhainvest em ação
      Projeção - Análise Gráfica
      UOL Economia
      Valor Econômico - on line
      INFOMONEY
      Blog do Paulo Henrique Amorim
      Vi o Mundo - Luiz Carlos Azenha
      Blog do Mino Carta
      UOL
    Votação
      Dê uma nota para meu blog